Digite aqui o assunto que busca

Siga-nos por e-mail

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

A CHINATUR, sempre se inovando, oferece e uma excelente opção na Turquia. O pacote de 3 dias em uma viagem inesquecível!

Às margens do estreito de Bósforo, que separa a Europa da Ásia, Istambul tem um pé no oriente e outro no ocidente - literalmente. A sua posição geográfica diz muito sobre a cidade. De um lado, o chamado às orações que emana das mesquitas e as mulheres cobertas com véus garantem o exotismo que se espera da maior cidade da Turquia. Do outro, uma metrópole moderna habitada por 13 milhões de pessoas, numa nação islâmica progressista e cada vez mais alinhada à União Europeia (ainda que as vertentes mais conservadoras da cidade estejam sempre militando pelo caminho oposto). 
Em 2010, Istambul foi uma das três capitais europeias da cultura. Para a ocasião, tratou de deixar impecáveis os seus principais cartões postais, aguçando ainda mais a sua veia turística. Algumas das mesquitas mais belas do mundo, palácios suntuosos e monumentos históricos bizantinos fazem parte do seu cardápio de atrações. Mas o lado moderno e mundano da cidade, onde come-se muito bem e a noite pulsa com uma força surpreendente, também merece a sua atenção.

A Basílica de Santa Sofia, também conhecida como Hagia Sophia é um imponente edifício construído entre 532 e 537 pelo Império Bizantino para ser a catedral de Constantinopla. 
O nome da basílica é uma transliteração fonética da palavra grega sabedoria. Assim, o nome completo da basílica, na verdade, é Igreja da Santa Sabedoria de Deus. A construção é mundialmente famosa não só por sua bagagem histórica, mas também por sua arquitetura de destaque. Um projeto do médico Isidoro de Mileto e do matemático Antêmio de Trales, ambos gregos. Possui uma enorme cúpula que é considerada um marco da arquitetura. Durante quase mil anos foi a maior catedral do mundo, perdendo o reinado apenas para a Catedral de Sevilha em 1520.
Fundada como colônia grega sob o nome de Bizâncio, no século 7 a.C., a cidade floresceu com as rotas mercantis que se cruzavam na região, vindas da Ásia, do Mediterrâneo e do Mar Negro. Por ali passavam vinho, mel, azeite e grãos e uma importante cultura comercial começaria a florescer no entorno. 
Conquistada pelos romanos, séculos mais tarde, sob o comando de Constantino, a capital seria transferida para lá e passaria a ser conhecida como Constantinopla. Por centenas de anos a cidade seria a mais rica e poderosa de toda a cristandade e, sob o a bandeira do Império Romano do Oriente, seria seu último bastião de resistência. Os vestígios mais importantes desse período são antigas igrejas de estilo bizantino, as fundações do antigo hipódromo e a grandiosa basílica de Santa Sofia. No vai e vem das Cruzadas que por ali passaram, Constatinopla iniciaria um lento declínio até cair perante o ascendente poder otomano. O ano era 1453 e o fato foi de tal forma relevante que determinou o fim do que conhecemos como Idade Média.
Sob a administração otomana de líderes como Mehmet II e Solimão, o Magnífico, a cidade floresceria com a tolerância religiosa e o controle de rotas comerciais. Rebatizada como Istambul, muitos de seus atuais ícones arquitetônicos foram erguidos nesse período, incluindo a fabulosa Mesquita Azul, o Grande Mercado e o extenso Palácio Topkapi dos sultões e seus haréns. Com o fim do Império Otomano depois da I Grande Guerra, o líder político Mustafa Kemal Pasa, conhecido como Ataturk, implementaria uma série de reformas que pavimentariam a face turca atual, que mescla o chamado dos muezzins para as orações diárias e o pragmatismo secular, que é europeu, asiático, globalizado.
Mesquita Azul


Grande Mercado
Palácio Topkapi dos sultões e seus haréns

ONDE COMER
Não deixe de experimentar a rica gastronomia local, que compreende pratos como os kebabskarniyarik(berinjelas recheadas), mezes (entradas) como a lakerda (finas fatias de atum defumado) e as infindáveis opções de doces. Vinhos, sucos de frutas, chás e o raki são as opções de bebidas. No entanto, o grande legado turco para o mundo gastronômico é mesmo o café. Após o abandono do cerco otomano de Viena, os austríacos acharam sementes deixadas pelos otomanos e de pronto adotaram aquela bebida amarga e escura. A vida dos intelectuais nunca mais seria a mesma.
Com intercâmbio duradouro com os Bálcãs, Oriente Médio e Ásia Central, a cozinha de Istambul traz reminiscências com seus vizinhos. Um desses cruzamentos é o "churrasquinho grego", o doner kebab, carnes grelhadas e finamente fatiadas que se estabeleceram como um dos pratos mais típicos e queridos da cidade. 


COMPRAS EM ISTAMBUL
Entre Ásia e Europa e os grandes mares Mediterrâneo e Negro, Istambul tem em seu DNA o espírito dos mercadores e uma variedade insana de produtos. Aqui você encontrará tapetes e kilins da Anatólia, assim como especiarias, joias, têxteis, produtos em couro, cerâmicas e utensílios domésticos talhados sobre a influência de cada canto do império otomano.
O epicentro deste fantástico mundo é o Grande Bazar, um labirinto de centenas, milhares de lojas que oferecem de tudo, mas o visitante se encantará também com outras lojas e mercados espalhados pela cidade, como o Bazar dos Livros ou o Bazar das Especiarias.
Fonte: Internet
CONSULTE A CHINATUR E VOCÊ IRÁ SE SURPREENDER COM TANTAS DIVERSIDADES DE ROTEIROS PELO MUNDO E A SIMPATIA NO ATENDIMENTO DOS SEUS AGENTES, CONFIRA.
11 32929240 sokan@chinatur.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário